17/02/2015

Como dizer adeus em robô...


Olá olá! Quanto tempo!! Nunca tinha ficado tão longe do blog o_O Mais Calma eu voltei... eu senti falta, muita falta de tudo aqui. Enrolação a parte vamos ao que interessa.
 O post de hoje e uma tentativa de resenha... hahahah está mais para uma indicação de leitura porque acho que não sei resenhar um livro, mais tentei.
O nome do livro é: Como dizer adeus em robô. Já ouviu falar? Não, então continue a ler para conhecer um pouco mais e quem sabe se interessar pela leitura. Ah mais você já leu? Continua a ler o post mesmo assim e me diga se ficou boa a minha tentativa de resenha e se concorda com a minha opinião a respeito da história. Ai vamos nós

Resenha: Como dizer adeus em robô


''E o que havia de mal na superficialidade afinal? Às vezes era meio um alívio... Talvez as pessoas devessem ser assim. A superficialidade podia ser algo a se almejar.''
Eu sempre me preparo para histórias com um nível alto de esquisitices. Sempre desejo rir e chorar com um livro e esse conseguiu realizar meu desejo. Sem contar as partes que me deixou com o coração na mão na expectativa que algo mais ocorreria.
Juro que quando acabou eu quase isolei o livro. Mais me contive com apenas um grito: ''Não, não acabou, não é possível!!'' (Acordei minha vó, mais ela já está até acostumada com as minhas reações de pós fim de um livro)
Apesar do final não muito fechado, o livro é excelente. Com uma narrativa calma e até meio melancólica, conseguiu capturar minha atenção nas 339 páginas.
"Eram duas e meia da manhã e o sol não estava por perto. Ao amanhecer, eu estaria com os olhos secos e o sol nunca saberia que eu havia ficado acordada a noite toda."
Bea uma garota de 16 anos (parece 13 anos mais ok!) está acostumada com mudanças. Todas as vezes que o pai e transferido para uma nova escola ou universidade ela e a mãe são obrigadas a seguir com ele. Em sua mais recente mudança Bea se depara com algo novo e desconhecido, e talvez um pouco estranho Jonah. Um garoto conhecido como fantasma pelos colegas de escola. O motivo de tal apelido vou deixar para que vocês descubram ao longo do livro... heheh
Esperei o livro inteiro para descobrir mais informações sobre esse "garoto fantasma" e acaba que quase nada se revela a respeito de seu personalidade, acho que a autora poderia ter desenvolvido mais essa parte o livro ficaria mais interessante e não tão misterioso e vago. Ela colocou minha mente para viajar, imaginando coisas a respeito de Jonah.
" - O mundo todo está me esmagando, como um peso no meu peito, me empurrando lentamente cada vez mais para baixo. E não há nada entre mim e esse peso além da minha pele fina. Não é o bastante. Ela não vai me proteger. ela não impede nada de entrar...''
Pois bem, Bea é uma garota normal como tantas outras que estão entrando na adolescência, não sabem muito bem o que está fazendo ou onde está se metendo mais arrisca e segue a vida.
Ouvir o programa local pela rádio e o que a faz se sentir um pouco melhor durante as noites nessa nova cidade. E e desse modo que ela viaja e conhece novos horizontes através de uma linha telefônica ela mantem contato com os ouvintes desta rádio e tenta não matar todos os seus sentimentos e emoções. Tenta se convencer que não é um total robô, como sua mãe a considera.
Ou seja o livro trata de uma garota que tenta esconder do mundo seus sentimentos e mostrar para si mesma que ainda é capaz de amar e se importar com as pessoas. Que existe algo a mais para se fazer enquanto está viva e que a morte nem sempre é a solução para os problemas.


Titulo original: How to say goodbye in robot 
Autora: Natalie Standiford
Tradução de: Fabiana Colasanti
Editora: Galera Record 
Minha avaliação: 4/5

Então é isso... espero que tenham gostado e se interessado pelo livro. Deixe ai nos cometários sua opinião sobre minha tentativa de resenha hahaha 
Até mais